Entenda o que é musicoterapia e como ela pode ajudar no luto

Publicado em: 24 de novembro de 2022

A musicoterapia, além de proporcionar a sensação de bem-estar, pode ser usada como tratamento coadjuvante em determinadas situações, como durante o luto.

Além de melhorar a qualidade de vida, a música pode melhorar o humor, a concentração e até mesmo o raciocínio lógico.

Acompanhe este artigo da Neo Assistência sobre o papel que a musicoterapia pode desempenhar enquanto um auxílio para pessoas que estão passando pelo momento de perda. Descubra o que é musicoterapia.

Musicoterapia: o que é e como é feita?

A musicoterapia é uma terapia científica que consiste em ajudar pessoas por meio de experiências musicais, abordando as potencialidades da música, que pode ser transformadora no corpo humano.

Trata-se de uma técnica muito utilizada para promover qualidade de vida, auxiliando em processos de recuperação e reabilitação.

Em relação à aplicabilidade, as sessões podem ser individuais ou em grupo, em que o participante pode tanto escutar o terapeuta tocando quanto participar de forma mais ativa, fazendo música junto ao profissional.

As sessões de musicoterapia visam explorar melodias, ritmos e batidas de diferentes canções, visando encontrar formas de trazer relaxamento e tranquilidade aos participantes.

Quais são os benefícios da musicoterapia no luto?

A musicoterapia pode ser muito importante enquanto um método coadjuvante na recuperação de pessoas que estão passando pelo processo de luto.

Mesmo quando um ente querido está vivo, porém enfrentando um quadro de adoecimento, internação e/ou em momentos terminais, a musicoterapia já pode ser acionada para ajudar familiares e amigos a lidar com a partida.

Ela auxilia muito na expressão e vazão de sentimentos, permitindo a assimilação de fatos e a construção de novos propósitos.

No mais, alguns dos principais benefícios da musicoterapia para quem está passando pelo luto incluem:

  • Ajuda no tratamento da depressão; 
  • Ajuda a suportar dores crônicas;
  • Ajuda a tolerar o tratamento contra o câncer;
  • Alivia as dores de cabeça;
  • Aumenta a capacidade respiratória;
  • Auxilia em doenças mentais;
  • Controla a pressão arterial;
  • Estimula a coordenação motora;
  • Melhora a expressão corporal;
  • Melhora a qualidade de vida;
  • Melhora os distúrbios do comportamento.

Conheça outros benefícios

Outros benefícios que podem ajudar muitos pacientes são:

Ajuda em casos de doenças

Pessoas com doenças de fundo neurológico, como Alzheimer e demências, podem tirar vantagens da musicoterapia.

Isso porque a música atua no sistema límbico do cérebro, região que possui relação com as emoções e a afetividade. Nesse sentido, músicas específicas podem auxiliar no resgate de memórias.

Reduz o estresse

A arte de ouvir e/ou fazer música também combate os níveis elevados de cortisol, hormônio responsável pelo estresse e sensação de ansiedade.

Promover o relaxamento por meio da música faz toda a diferença para quem está passando pelo luto ou por procedimentos médicos.

Ouvir e tocar música também reduz o nível de cortisol, o hormônio responsável pelo estresse. E estar relaxado pode fazer uma grande diferença para quem precisa passar por procedimentos médicos.

Ajuda em casos de dependência química

Até mesmo pessoas em processo de reabilitação da dependência química podem se beneficiar da musicoterapia.

Esse método terapêutico ajuda a melhorar o humor e a qualidade de vida das pessoas em reabilitação, facilitando o processo.

Quer saber mais sobre terapias e qualidade de vida? Siga a Neo Assistência no Instagram ou aproveite para navegar aqui pelo site e conhecer os serviços de assistência funeral para ajudar você e sua família mediante a perda de um ente.

Queremos proporcionar maior tranquilidade aos nossos clientes. Nos comprometemos a auxiliar as pessoas a se planejarem e encontrarem acolhimento e orientação em momentos delicados.

Postagens Relacionadas

Newsletter

Faça a sua inscrição e receba atualizações do nosso blog!

    Categorias

    Materiais Ricos

    Posts recentes